8
Set
Acções da Nokia caem 16% após apresentação da nova linha Lumia
por pedro Ivo Faria Nokia , Lumia , Windows Phone 8 , 920 , 820 , Symbian , 808 PureView
A esperada apresentação da nova gama de smartphones da Nokia não conseguiu produzir os efeitos esperados pelos responsáveis da marca e da própria Microsoft. Apesar dos dois novos Lumia terem conseguido impressionar pelo seu aspecto bem conseguido e por uma paleta de cores invulgar, do ponto de vista técnico estão longe de se aproximar daquilo que a concorrência tem produzido.



A queda de 16% no valor das acções da companhia finlandesa (que entretanto já recuperaram 1%) é um claro indício de que o mercado não ficou impressionado com a nova oferta da Nokia que pode ser considerada como ‘insuficiente’ perante o novo iPhone, o GAlçaxy S III da Samsung, o HTC One X, etc.
OS dois modelos apresentados – o Lumia 920 e o Lumia 820 – enquandram-se, do ponto de vista do preço, na gama média-alta que está repleta de modelos mais evoluídos ou mais baratos caso se tenha em conta apenas as especificações gerais.

Com os quatro modelos actuais da linha Lumia condenados (não poderão ser evoluídos para o Windows Phone 8), a Nokia vê reduzida a sua oferta a metade (de 4 para 2 dispositivos) e coloca os terminais Windows Phone 7.5 em pé de igualdade com os baseados no Symbian e no MeeGo: o investimento da Nokia na sua actualização será residual e não serão capazes de acompanhar a evolução da tecnologia mesmo a curto prazo.

A falta de um modelo acessível na sua gama (o Lumia 610 e o Lumia 710 atingiram o seu limite de evolução) não deverá ser resolvida a curto prazo face às limitações que a Microsoft continua a impor o desenvolvimento de terminais Windows Phone. Se a situação era complicada no caso do Windows Phone 7, com a chegada do Windows Phone 8 fica ainda pior face à necessidade de se usarem processadores dual-core.
Alguns rumores apontam para o lançamento de dois novos modelos baseados no Windows Phone 7.8, o que será irrelevante do ponto de vista de mercado uma vez que não poderão contar com diversas das funcionalidades presentes na mais recente versão da plataforma móvel da Microsoft. E desactualizado por desactualizado, a Nokia tem vários modelos baseados no Symbian que são bem mais baratos e que são igualmente competentes.
Ao contrário do que a Nokia tem tentado transmitir, o sistema operativo Symbian não é o entrave ás vendas dos smartphones da marca finlandesa, caso contrário o Nokia 808 PureView não estaria a ser vendido a um ritmo superior aquele que a Nokia consegue fabricá-los.

Esta notícia já foi consultada 11562 vezes
 
 
Publicidade