29
Jun
RIM afirma que o Windows Phone e o Android não fazem parte dos seus planos
por G5 RIM , Blackberry , Blackberry 10 , Andorid , Windows Phone , Nokia , Microsoft
Os resultados do primeiro trimestre de 2013 (segundo o calendário fiscal da RIM) vieram reforçar a necessidade da companhia canadiana dispor de uma solução que lhe permite manter-se competitiva no segmento móvel. Com uma quebra nas vendas de 40% face ao ano anterior, a RIM continua a colocar na plataforma Blackberry 10 todas as suas esperanças para inverter a situação que tem vivido nos últimos dois anos.

A posição algo fragilizada tem vindo a colocar a RIM sob pressão do mercado e de outras companhias que veriam com bons olhos uma mudança estratégica que passasse por outra plataforma móvel. As investidas da Microsoft têm vindo a intensificar-se chegando mesmo a surgir um rumor que dava conta da eventual adopção do Windows Phone como nova plataforma estratégica.
A RIM não demorou a desmentir esses rumores, aproveitando ainda para relembrar que tem uma estratégia bem definida e uma plataforma móvel em que confia completamente, por isso não necessita de ‘ajuda’ externa para alcançar os seus objectivos.

Nós há muito que chegamos à conclusão que aderir ao grupo de fabricantes de dispositivos Android não se encaixa na nossa estratégia. Nós queremos distinguirmo-nos dos restantes fabricantes e não ser apenas mais um num vasto grupo.
Sabemos que a melhor solução para quem procura um terminal Blackberry é um sistema operativo Blackberry, uma vez que é essa a experiência que pretendem adquirir. Essa necessidade exclui qualquer outra plataforma móvel existente no mercado.
Quer isso dizer que escolhemos a ‘via dificil’ ? Claro que sim! Se escolhêssemos a ‘via fácil’ e passássemos a basear os nossos produtos em plataforma desenvolvidas por outras companhias, a médio prazo, isso iria impedir-nos de estabelecermos o nosso próprio ritmo, de nos distinguirmos dos restantes parceiros e de fornecer aos nossos clientes uma solução adequada às suas necessidades e expectativas
’ – referia o CEO da RIM.

Perante as dificuldades que a Nokia tem enfrentado para posicionar a sua gama Lumia baseada no Windows Phone (a referência de Thorsten Heins à ‘via fácil’ é claramente dirigida à companhia finlandesa), a RIM está cada vez mais segura de que a única via viável a longo prazo passa por garantir uma experiência própria baseada numa plataforma e serviços exclusivos.

Esta notícia já foi consultada 20928 vezes
 
 
Publicidade