3
Mai
Apple garante 73% dos lucros do segmento móvel
por Pedro Ivo Faria Apple , Samsung , HTC , RIM , Nokia , Sony , LG , Motorola
O primeiro trimestre de 2012 encerrou com um novo líder indiscutível do mercado móvel: a Samsung. A companhia sul-coreana conseguiu por fim a 14 anos de reinado da Nokia, tendo ultrapassado a companhia finlandesa em volume global de vendas e também no segmento dos smartphones.
Mais impressionante que o crescimento em quantidade é a forma como as vendas escalaram dentro das gamas da Samsung com os smartphones a representarem já mais de 45% do volume global.



Este salto qualitativo não teve um reflexo directo nos lucros da Samsung, que representou apenas uma subida moderada, fruto de uma estratégia baseada em modelos com características similares à da sua concorrência mas com um preço ligeiramente mais baixo.
Mesmo vendendo mais 30% de smartphones que a Apple, a Samsung não conseguiu segurar a liderança do segmento quando se tem em conta apenas os lucros. A Apple continua a marca líder nesse campo assegurando mais de 73% dos lucros produzidos pelo segmento.

Considerando as oito marcas mais representativas (do mercado norte-americano), a Asymco publicou um novo estudo onde se encontra ilustrado o percurso de cada uma delas do ponto de vista de lucros. No gráfico demonstrativo é possível verificar que várias marcas (Sony / Sony-Ericsson, LG e Motorola) há alguns anos que estão a comercializar os seus produtos com margens quase nulas, que a Samsung e a HTC têm feito ajustamentos pontuais mas mantêm um nível estável, que a Nokia e a RIM já quase não têm lucro em cada terminal vendido e que a Apple tem uma margem imensa para baixar os preços dos seus dispositivos se assim quisesse.

A migração dos ‘telefones para chamadas de voz e mensagens de texto’ para os ‘telefones como alternativas aos computadores’ está a fazer o mercado evoluir dos telemóveis básicos e dos feature phones para os smartphones com implicações directas nos preços e margens de lucros.
Para suavizar a distância de preço que separa esses dois segmentos a maioria das marcas optou por reduzir a sua margem de lucro, o que tornou possível o lançamento desses produtos a preços mais acessíveis, com as grandes excepções a serem a Apple e a Samsung. Embora só seja responsável por 8.8% do volume global de vendas, a Apple chamou a si três quartos dos lucros provando, mais uma vez, que não necessita de ser a líder de mercado em unidades vendidas para ser a mais influente.

Esta notícia já foi consultada 19249 vezes
 
 
Publicidade